Rio de Janeiro recebe o trabalho de Vic Pereiró e Nástio Mosquito

A exposição “Fundir Multiplicando” apresenta no Brasil peças audiovisuais inéditas e a estreia internacional do curta- documentário “S.E.F.A”


DATAS

Do 7 de maio até o 15 de junho


LOCAL

Instituto Cervantes do Rio de Janeiro

http://riodejaneiro.cervantes.es

Rua Visconde de Ouro Preto, 62

CEP 22250-180, Botafogo - Rio de Janeiro


PREÇO

Entrada franca


MAIS INFORMAÇÕES

https://www.facebook.com/events/983891428287653


CURADORIA

José Manuel Rambla


APOIO

Escritório Cultural da Embaixada da Espanha no Brasil

O Instituto Cervantes do Rio de Janeiro receberá a partir do dia 7 de maio a exposição Fundir Multiplicando que reúne alguns dos trabalhos surgidos da colaboração entre o artista espanhol Vic Pereiró e o angolano Nástio Mosquito. A mostra, patrocinada pelo Escritório Cultural da Embaixada de Espanha, apresenta mais de trinta peças gráficas desenhadas por ambos criadores, junto com uma seleção dos seus últimos trabalhos em vídeo.


A colaboração artística entre Nástio Mosquito e Vic Pereiró começou em 2008 e desde então não deixou de dar frutos, especialmente no âmbito do vídeo-arte e das performances. Nesse sentido, a criatividade do multifacetado artista angolano tem encontrado um contraponto técnico nos trabalhos do espanhol que vem desempenhando a função de diretor de arte e realizador.


A exposição que chega ao Rio de Janeiro inclui entre outras propostas audiovisuais uma seleção dos videoclipes elaborados para os discos de Nástio Mosquito Deixa-me entrar (2012) e Se eu fosse angolano (2013), bem como algumas peças desenhadas para as performances que o artista angolano realiza na sua turnê pela  Alemanha, África do Sul, Portugal, Eslovênia e Bélgica e que até agora não haviam podido ser vistas fora dessas apresentações ao vivo. Além disso, a mostra inclui a estreia internacional do seu curta- documentário de criação S.E.F.A.


Fundir Multiplicando, uma exposição com curadoria do jornalista espanhol José Manuel Rambla, poderá ser vista no Rio de Janeiro até o próximo 15 de junho. A presença desses trabalhos no Brasil coincide com a presença de Nástio Mosquito na Itália que, com a colaboração de Vic Pereiró, fará uma apresentação no Oratório de San Ludovico dentro da programação da 56a Bienal de Veneza.     

Os artistas:

Vic Pereiró: Nasceu no Puerto de Sagunto, Espanha, em 1971. Fotógrafo, desenhador gráfico e multimídia. No ano 1998 começou seus primeiros filmes documentais e suas primeiras aproximações ao vídeo-arte e ao cinema experimental. Vinculado à África desde o seu trabalho na recuperação das filmagens de Manuel Hernández Sanjuan na Guiné Equatorial dos anos 40, Pereiró tem desenhado diversas exposições, assim como aproximações audiovisuais à realidade africana. Num deles, Africalls (2007) coincidiu pela primeira vez com Nástio Mosquito, um encontro que daria origem a essa colaboração.

 

Nástio Mosquito: Nasceu em Huambo, Angola, em 1981. Artista multifacetado, as suas criações são uma fusão de performance, música, vídeo-arte. O trabalho dele foi apresentado na Angola, Portugal, Espanha, nos Estados Unidos, Alemanha, França, Sul-África e nos Emirados Árabes, entre outros países. Considerado um dos dez artistas africanos mais destacados do momento, Mosquito participou na Bienal de São Paulo de 2010, no museu Tate Modern de Londres e no Berlin Former West. Em dezembro de 2014, um jurado lhe outorgou o prêmio Future Generation Art Prize concedido pela Fundação Victor Pinchuk aos artistas menores de 35 anos que sobressaem no panorama internacional.